top of page

SOURCEPOINT THERAPY®:

TRABALHANDO COM O BLUEPRINT

Por Donna Thomson

Da revista “Massage and Bodywork“ de setembro/outubro de 2008

 

 

“Um resplendor alegre de saúde só é alcançado à medida que o corpo se adapta mais ao seu padrão inerente. Este padrão, esta forma, esta ideia platônica, é o blueprint para a estrutura.” Ida Rolf, A Integração das Estruturas Humanas

Sendo descrito como blueprint, arquétipo, matriz, ideia platônica, “songline"*, ou campo morfológico encontramos, desde as filosofias da Grécia antiga até as práticas dos xamãs, nas culturas indígenas e nas teorias da física moderna, o princípio de um padrão energético que contém as informações essenciais para a criação e a manutenção saudável da vida.

Meu marido, Bob Schrei, e eu trabalhamos com o princípio do blueprint por muitos anos e descobrimos que embarcar no caminho da medicina energética envolve uma redefinição radical do que é o eu, energia, cura e, de fato, este universo em que vivemos. É um caminho que constantemente intriga, desafia, convida, confunde, esclarece e encanta. Nosso trabalho com o blueprint nos levou à evolução de um sistema de cura energética que chamamos de SourcePoint Therapy®, que foi desenvolvido, refinado e testado nos últimos 13 anos. Bob é um ex-professor de zen com formação em arquitetura e artes plásticas, um Rolfista Avançado Certificado, em prática desde 1986, e um terapeuta craniossacral biodinâmico. Eu sou professora de meditação e intuitiva. A SourcePoint Therapy é o ponto culminante de quase quarenta anos de exploração em consciência, energia e cura. Ao desenvolvermos esse trabalho juntos, encontramos reflexos de seus princípios fundamentais em ambas visões de mundo ancientes e modernas e em várias filosofias e tradições de cura.

 

Os curandeiros Shipibo do Peru afirmam que, antes de começarem a fazer qualquer coisa, precisam reparar a estrutura energética do corpo cantando padrões energéticos. Na Cabala, encontramos o Adam Kadmon, o humano original, às vezes definido como aquele padrão que, animado pela luz, dá origem à vida, repara e cura. O "Ur-fenômeno" de Goethe (fenômeno de origem ou fonte) é também o poder formativo, o "imperativo morfológico", que é o arquétipo do qual surge a forma.

Michael Kern, D.O., discute esse padrão energético a partir da perspectiva dos praticantes contemporâneos de Craniossacral Biodinâmico: "O Sopro da Vida carrega um blueprint essencial para a saúde, que o Dr. James Jealous chamou de 'Matriz Original'. Esse blueprint é um princípio organizador profundo e inabalável." Franklin Sills afirma: "Não importa quão desesperadora seja a situação, a informação do todo, seu princípio organizador inerente, ou blueprint, ainda está disponível em cada uma das partes.“ Em seu livro “Structural Integration” a Dra. Ida Rolf faz a seguinte pergunta: “…equilibrar seria na realidade, posicionar o corpo de carne sobre um padrão energético que o ativa?” Robert O. Becker, D.O., bem como Harold Saxton Burr, em seu livro „The Blueprint of Immortality“, também analisaram a possibilidade de um blueprint energético ou elétrico como um campo que envolve o corpo.

 

James Oschman, em seu excelente livro, “Energy Medicine: The Scientific Basis“, ressalta que "em poucas décadas, os cientistas passaram da convicção de que não existem campos de energia dentro e ao redor do corpo humano para a certeza absoluta de que eles existem". Ele continua descrevendo o corpo humano como uma "matriz viva" que é "simultaneamente uma rede mecânica, vibracional ou oscilatória, energética, eletrônica e informacional".

 

Todas essas tradições filosóficas e de cura têm suas diferenças, mas todas elas apontam para um fenômeno semelhante, o de um blueprint energético que está subjacente, dá origem e permeia a forma material: uma força ordenadora, um princípio organizador, que cria e mantém a saúde e a vida, um depósito de informações que orienta o desenvolvimento do indivíduo em conjunto com influências ancestrais, genéticas e ambientais, que podemos chamar de blueprint.

Esses princípios consagrados pelo tempo estão reaparecendo no pensamento de muitos cientistas contemporâneos. O físico altamente respeitado Ervin Laszlo, em seu livro "Science and the Akashic Field", descreve o vácuo quântico como "não apenas um mar superdenso de energia, mas também um mar de informações". Ele argumenta, de forma convincente e detalhada, que "o mundo físico é um reflexo de vibrações de energia de mundos mais sutis que, por sua vez, são reflexos de campos de energia ainda mais sutis. A criação, e toda a existência subsequente, é uma progressão para baixo e para fora a partir da fonte primordial".

 

O Dr. Laszlo chamou esse campo fundamental de informação/energia de Campo Akáshico, fazendo referência ao termo sânscrito, Registro Akáshico, que em várias tradições religiosas e metafísicas acredita-se ser um registro cósmico de tudo o que já aconteceu. Nessa visão científica contemporânea, o Campo Akáshico também contém todas as informações necessárias para criar e sustentar o universo como o conhecemos, um universo que, por definição, não é separado do mar de energia e informações do qual ele surge. "O universo informado é um mundo de interconexão sutil, mas constante, um mundo onde tudo informa ""age e interage com"" tudo o mais. Esse mundo merece ser conhecido. Devemos apreendê-lo com nosso coração e também com nosso cérebro." Pode-se imaginar, então, que nesse Campo Akáshico existem e podem ser acessadas as informações essenciais de saúde, equilíbrio, ordem, harmonia e fluxo necessárias para a manutenção da saúde do organismo humano. Precisamos receber essas informações tanto com o coração quanto com o cérebro, tanto com a intuição quanto com a mente racional e lógica. Outro ponto importante emerge da descrição que o Dr. Laszlo faz desse campo de informações: ele é interativo. Isso significa que qualquer informação muda de acordo com as informações que lhe são fornecidas. Portanto, o que chamamos de blueprint não é um padrão estático e fixo, não é um modelo eterno à la Platão, mas um campo de informações dinâmico, interativo e energético que trabalha conosco, em nós e ao nosso redor.

 

Muitos sistemas de cura energética se concentram em facilitar o fluxo de energia; na SourcePoint Therapy® trabalhamos também com a intenção específica de facilitar o fluxo de informações do blueprint para o corpo físico. Ao trabalhar com os clientes, procuramos determinar a localização dos bloqueios no corpo físico que obstruem esse fluxo de informações. Esses bloqueios geralmente são a fonte do conjunto de sintomas que está sendo apresentado e podem ser detectados por meio de uma técnica simples de varredura/escaneamento corporal. Essa técnica da SourcePoint ajuda o profissional a determinar o ponto de entrada mais eficaz para trabalhar com os sintomas do cliente. Ray McCall, Instrutor Avançado de Rolfing, fala sobre esse scan: "Ao fazer a varredura manual do campo de energia do cliente, como é ensinado na metodologia SourcePoint, não só podemos determinar a localização dos bloqueios e descontinuidades principais, como também podemos determinar onde o corpo do cliente quer que comecemos. Quando esse ponto de partida é respeitado, sempre percebo que a sessão é mais eficaz.”

 

Na SourcePoint Therapy® trabalhamos com pontos específicos no campo de energia humana que circunda o corpo, bem como no corpo, cuja função é facilitar o fluxo de informações do blueprint energético para o corpo físico. Esses pontos servem como portais para os princípios universais de Ordem, Equilíbrio, Harmonia e Fluxo, que são a fonte de nossa saúde. Como arquiteto, artista e Rolfista, Bob tem um interesse de longa data em estrutura e geometria sagrada. Quando começamos a procurar como acessar as informações de saúde, equilíbrio e ordem, foi natural considerar o padrão geométrico como um portal de entrada ou ponto de conexão para essas informações. Os pontos, com os quais trabalhamos no campo energético, formam vários padrões geométricos. Como diz o Dr. Mark E. Rosen, D.O., "A saúde é o blueprint perfeito presente em nós desde o momento da concepção. A saúde é mais inerente à geometria do que à genética". Esses pontos e técnicas foram descobertos por meio de muitos anos de estudos, testes e aplicações intuitivos e práticos.

 

Em nosso trabalho com o blueprint, descobrimos que há muitas maneiras de acessá-lo. Não fazemos a distinção usual entre modalidades físicas e energéticas. Se aceitarmos a premissa, que agora está sendo explorada de forma tão completa na física e na biologia modernas, de que tudo é um grande campo de energia, então como pode essa divisão antiga e ilusória entre corpo e espírito, matéria e energia persistir? A partir de nossa perspectiva e experiência, o corpo não tem um campo de energia: ele é um campo de energia/informação. Bob faz frequentemente trabalhos profundos no corpo; para ele, isso é tanto "trabalho energético" quanto segurar um ponto fora do corpo. E segurar um ponto fora do corpo é tão "trabalho corporal" quanto manipular profundamente um músculo.

Esses parâmetros expandidos sempre nos convidam a explorar mais o extraordinário universo no qual vivemos, trabalhamos, e procuramos manter a vida e a saúde. Brian Swimme, conhecido autor e físico, diz: "Estou convencido de que qualquer visão do universo que não nos choque não tem valor para nós." Alguns cientistas se opõem quando os princípios da física quântica são usados para justificar práticas de medicina energética. Não oferecemos as teorias da física moderna como "prova" da existência de um plano energético, mas sim como outro campo fascinante para exploração e reflexão. A cura é uma arte e também uma ciência e, como curadores, lidamos com resultados muitas vezes imprevisíveis e surpreendentes, que desafiam nossas noções de como as coisas funcionam. F. David Peat, outro físico teórico, diz: "…uma revolução na arte geralmente precede a ciência em mais ou menos uma década... Existe uma conexão causal ou os artistas são antenas para o futuro que antecipam as mudanças gerais no pensamento que acabarão entrando na ciência?" Como praticantes da arte da cura agora, e como a ciência moderna continua a redescobrir no futuro o que os místicos e visionários sabem há séculos, faz sentido descartar abordagens energéticas que podem nos ajudar em nosso trabalho escolhido de aliviar a dor, a tensão, o estresse e a doença sem experimentá-las?

 

Se você quiser explorar esse princípio do blueprint mais detalhadamente para você e ver como pode integrá-lo à sua prática, comece mergulhando na teoria e na perspectiva do blueprint. Leia sobre ele (lista de leituras recomendadas disponível em www.sourcepointtherapy.com). Reflita sobre ele. Pergunte a si mesmo: o que o blueprint significa para mim? O que eu já sei sobre ele? Como eu já o vivencio? Onde e como experimento essa ordem, equilíbrio, harmonia e fluxo fundamentais que sustentam a vida?

 

Atualmente, as pesquisas começam a demonstrar o poder da intenção. No livro "The Intention Experiment", de Lynne McTaggart, ela relata um estudo no qual foi solicitado a um conhecido curandeiro que formulasse diferentes intenções enquanto segurava cinco diferentes placas de Petri, nas quais células cancerígenas estavam crescendo. Todas as amostras mostraram alguma redução no crescimento das células cancerígenas como resultado da infusão energética da intenção. A maior redução ocorreu com a simples intenção de que a ordem natural do crescimento celular fosse restaurada. Ao trabalhar com o blueprint, você está concentrando sua intenção na ordem natural do corpo saudável. Se quiser começar a integrar esse princípio em seu trabalho, você pode experimentar definir sua intenção, ao começar a trabalhar com um cliente, de que a ordem natural da saúde seja restaurada nessa pessoa. Você pode formar a intenção de se conectar com as informações do blueprint enquanto trabalha.

 

Use a premissa do blueprint como ponto de referência para abordar seu cliente. Pergunte a si mesmo: "O que precisa acontecer para restaurar o equilíbrio, a ordem, a harmonia e o fluxo desse sistema?" "Que novas informações posso levar a esse cliente hoje com o objetivo de cura?" Lembre-se de que, da perspectiva do SourcePoint, a função do curador não é apenas facilitar o fluxo de energia e tratar os sintomas físicos, mas também levar novas informações ao cliente, seja por meio do toque, da palavra, de imagens ou de uma abordagem energética. Essas novas informações, baseadas nos princípios de ordem, equilíbrio, harmonia e fluxo, começam a substituir as antigas informações acumuladas de trauma, desordem e perturbação que a experiência traz para o corpo.

 

Um método muito simples de acessar esses princípios é "a palavra". Essa frase familiar, "No princípio era o verbo", tem muitos significados, e o poder da palavra para ferir e curar como foi demonstrado ao longo da história. Sente-se em silêncio pela manhã, ou antes de uma sessão com um cliente, ou apenas por um momento em meio a um dia agitado, e permita que as palavras "Ordem, Equilíbrio, Harmonia e Fluxo" ressoem com sua respiração e permeiem sua consciência. Passe alguns momentos com essas palavras enquanto estiver trabalhando com um cliente.

 

Um senso de urgência nos levou a desenvolver a SourcePoint Therapy®e inspira nosso trabalho contínuo com o blueprint. Em um mundo complexo, a simplicidade tem grande poder. E nossa intenção com a SourcePoint Therapy® foi desenvolver um sistema simples, que permitisse que profissionais de toda as áreas integrassem esse princípio fundamental da medicina energética, o blueprint, em seu trabalho, sem treinamento extenso ou caro. O objetivo é aprimorar qualquer modalidade que o profissional já esteja usando, para criar um contêiner energético que ajude o trabalho realizado a ser mais profundo e eficaz. Médicos, massoterapeutas, terapeutas cranianosacrais, acupunturistas e rolfistas consideram esse método útil e fácil de integrar.

 

O mundo em que vivemos está desequilibrado e, ao tentar se autocorrigir, experimentamos muitos extremos. Manter um senso interno de equilíbrio torna-se cada vez mais difícil e importante tanto para os clientes quanto para os profissionais. Se lembrarmos que no centro da agitação e do estresse há informações de equilíbrio, ordem, harmonia e fluxo disponíveis para cada um de nós, sempre, isso nos ajudará a manter a saúde mental, física e espiritual no mundo de hoje. Se procurarmos explorar, compreender e implementar o princípio do blueprint, teremos uma ferramenta inestimável para ajudar a nós mesmos e a nossos clientes.

 

* Uma história tradicional ou a memória de uma viagem que aconteceu no mundo dos sonhos.

Donna Thomson é professora de meditação, intuitiva e autora de "The Vibrant Life: Simple Meditations to Use Your Energy Effectively".

"SourcePoint Therapy: Exploring the Blueprint  of Health.”

Tradução livre por Marisol Aimée Valente em Setembro de 2023.

[1] Maitland, Jeff, Ph.D, Advanced Certified Rolfer, “The Architecture of Freedom,”• unpublished paper, 2007

[1] Kern, Michael, Wisdom in the Body, North Atlantic Books, Berkeley, 2005, p.33

[1] Rolf, op cit, p.206

[1] see Becker, R O, Selden G, The Body Electric: Electromagnetism and the Foundation of Life, SUNY Press, Albany, 1985

[1] see Burr, H S, Blueprint for Immortality, CW Daniel, Saffron Walden, 1972

[1] Oschman, James, Energy Medicine, The Scientific Basis, Churchill Livingstone, New York, 2000, p.27 [1] Ibid, p.44 [1] Laszlo, Ervin, Science and the Akashic Field: An Integral Theory of Everything, Inner Traditions, Rochester, Vermont, 2004, p. 50 [1] ibid, p. 141 [1] ibid, p. 5

[1] McCall, Ray, Advanced Certified Rolfer, private conversation, December 27, 2007

[1] see Rosen, Dr. Mark E., www.osteodoc.com [1] Swimme, Brian, in Arguelles, Jose, The Mayan Factor, Bear and Co,

Santa Fe, 1987, foreword, p. 9 [1] Peat, David F, “Ideas on Art and Science,”• www.fdavidpeat.com/ideas/artsci/htm [1] McTaggart, Lynne, The Intention Experiment, Free Press, New York, 2007, p151ff

“Um resplendor alegre de saúde só é alcançado à medida que o corpo se adapta mais ao seu padrão inerente. Este padrão, esta forma, esta ideia platônica, é o blueprint para a estrutura.”
                                                                                                Ida Rolf, A Integração das Estruturas Humanas

bottom of page